• Investidor Sem Grife

Como Investir na Bolsa De Valores com Pouco Dinheiro?

Muitas pessoas desejam começar seus investimentos em renda variável, principalmente em ações mas possuem uma falsa impressão de que a Bolsa de Valores é um ambiente para magnatas.

Pilha de moedas para representar ações na Bolsa de Valores.

Obviamente essa concepção de investimentos em Bolsa de Valores é ultrapassada. Hoje, é sim possível investir em ações com muito pouco. Mas obviamente alguns pontos devem ser observados.


Então vamos la:


1- Tenha uma Reserva de Emergência


Não adianta nada você começar a investir em renda variável se você não tiver uma reserva de emergência para eventuais problemas profissionais e pessoais. Pois, lembre-se, investir em ações é longo prazo, e você ter que tirar seu dinheiro de lá no desespero para pagar contas, por exemplo, pode te trazer grandes prejuízos.


2- Ações fracionadas ou mercado fracionário


Muitos se questionam da possibilidade de investir com pouco dinheiro sendo que só é possível comprar blocos de 100 ações. Esse é outro mito que corre bastante na boca dos desavisados. Existem as chamadas ações fracionárias. Negociando esse tipo de ações é possível comprar menos de 100 ações.


Exemplo: vamos supor que unidade de VALE3 está sendo negociada a 50 reais. Dessa forma, se eu for comprar VALE3, o mínimo que eu terei de desembolsar é 5000 reais (50 reais vezes100). Para o investidor iniciante esse valor pode não estar disponível ou até mesmo se tiver, pode representar uma parte muito grande de seu patrimônio.


Mas não quer dizer que o investidor não vai conseguir fazer o investimento e se tornar sócio daquela empresa. É possível comprar de 1 a 99 ações de VALE3 no mercado fracionário.


O código de negociação de ações no mercado fracionário é acrescido de um "F"no final.


Assim, se o investidor deseja comprar 150 reais de VALE3, por exemplo, ele deverá emitir ordem de compra de 3 ações de VALE3F uma vez que é inviável negociar quantidades que não sejam múltiplos de 100 no código VALE3.

Imagem de analista observando ações na Bolsa de Valores.

A mesma lógica vale para outras ações listadas na bolsa:


ITUB4F - Itaú fracionado

FLRY3F - Fleury fracionado

CVCB3F - CVC fracionado

3- Custos de corretagem


A maioria dos investidores que começaram a investir na chamada "Era XP" não sabem como eram as corretoras dos Bancos, maiores meios de negociações de ativos mobiliários. Fortunas eram cobradas na emissão de apenas uma ordem. Naqueles tempos, investir em Bolsa de Valores era realmente algo para ricos. Entretanto, muitas coisas mudaram e o investimento foi popularizado e hoje é acessível a praticamente todas as pessoas com o mínimo de reservas e acesso a internet.


Entretanto é necessário ter cuidado com as taxa de corretagem, especialmente se você é um investidor iniciante. Falando sobre o grupo XP, temos 3 corretoras (XP, Rico e Clear)


A XP, que das 3 é a que mais cobra corretagem (mesmo que seja irrelevante perto do que já foi cobrado um dia). A corretagem varia de acordo com o tipo de ordem mas pode ser algo considerável para o investidor iniciante. Ao comprar no mercado fracionário via Home Broker, a XP cobra 14,90.


Apesar do valor não ser elevado, se utilizarmos o exemplo da pessoa que deseja comprar 150 reais de VALE3F, ele gastaria 14,90 para comprar as ações e posteriormente 14,90 para vendê-las. Assim, a ação teria que valorizar quase 20% apenas para pagar os custos operacionais do investimento.


A Rico, cobra 7,90 reais por ordem no mercado fracionário. Na compra de 150 reais de Vale, as ações teriam que se valorizar mais que 10% apenas para pagar os custos operacionais.


Já a Clear não cobra taxas de corretagem, sendo assim a melhor opção para um investidor iniciante, com pouco capital.


É obvio que o custo da XP vem acompanhado de toda uma estrutura, um atendimento e um agente autônomo de investimentos para te auxiliar. Entretanto, para valores pequenos, é difícil o investidor iniciante arcar com esses custos.


A medida que o capital dessa pessoa for crescendo, é altamente aconselhável que ela procure pessoas responsáveis e serviços de maior qualidade como o da XP.


4-Outros Meios de Investir em Ações Com Pouco


  • ETF`s: um bom meio de diversificar suas ações, atrelando seus rendimento a índices pré-definidos.

  • Fundo de Investimentos em Ações: você pode ter seu dinheiro na bolsa de valores, administrado por gestores, especializados em investimentos em ações, com uma equipe bem preparada para te trazer bons rendimentos. Já te deixo uma recomendação: fuja de taxa de administração maiores que 2% ao ano. Existem bons fundos para você começar a investir com 100 reais, por exemplo.



5- Liquidez


Não são todas as ações que possuem um mercado fracionário desenvolvido, ou se quer possuem ações fracionadas. Isso ocorre porque muitas empresas têm suas ações negociadas a valores pequenos, próximos a um real, são as penny stocks. Dessa forma, a maioria dos investidores optam por comprar ao menos 100 ações, deixando as ações fracionárias sem serem negociadas, ou seja, com pouca ou nenhuma liquidez.


Se juntarmos a isso, o fato de uma determinada ação possuir pouco volume de negociação, a situação pode ser ainda pior. Tenha sempre uma atenção especial as Small Caps. Assim, é importante se atentar a essa medida de risco.


Lembre-se sempre, pesquise sobre as empresas / ações antes de compra-las.


Conclusão


Você deve começar a investir na Bolsa de Valores, apenas quando tiver uma reserva de emergência bem estabelecida, para cobrir seus gastos mensais de 6 meses a 1 ano. Após isso, você deve observar pontos importantes como os custos operacionais de se investir em ações pois eles podem prejudicar muito seus retornos.


Além disso, lembre-se que existem profissionais dispostos a gerenciar seu dinheiro e se você é um iniciante atente-se para essa possibilidade. Mas caso opte por investir você mesmo, preocupe-se em analisar empresas e com a liquidez de suas ações.


Ajudou? Se sim segue la no Instagram para ficar atualizado de todas as novidade do Investidor Sem Grife!