• Investidor Sem Grife

Follow-on: o que é e como funciona

O que é?

A partir do momento em que uma empresa que já é listada, ou seja, que já passou por um IPO (Initial Public Offering) e depois opta por vender mais ações, esse processo é chamado de Follow-on ou oferta subsequente de ações.


O Follow on é uma das formas de uma empresa fazer sua capitalização ou de seus sócios venderem suas participações na companhia.


Vale lembrar que o IPO ocorre apenas uma vez, após esse procedimento, se a empresa emitir novas ações ao mercado, é considerado um Follow-on.


Tipos de Follow-on

O follow-on pode ser realizando tanto no mercado primário quanto no mercado secundário. No primeiro caso, a própria empresa emite novas ações para realizar a venda a mercado e assim, se capitalizar.


Já a oferta no mercado secundário é quando os sócios da empresa optam por venderem suas ações, dessa forma, o capital arrecadado não vai para a empresa e sim para o bolso dos antigos sócios que fizeram a troca de ações por capital.

Possibilidade de crescimento pós Follow on.

Por que empresas optam por fazerem um Follow-on?

As empresas costumam realizar o Follow-on no mercado primário, com o objetivo que podem variar mas, em sua maioria, dizem respeito a:


  1. Fortalecer o caixa da companhia e trazer mais confiança aos seus stakeholders

  2. Diminuir a alavancagem da empresa, pagando dívidas

  3. Para viabilizar projetos.

  4. Para viabilizar crescimento e expansão.


Já o objetivo Follow-on no mercado secundário costuma girar entorno de uma única questão:


  1. Diminuição ou finalização da participação de sócios controladores na empresa.


O momento mais comum de empresas fazerem um Follow-on

A maioria das empresas escolhem períodos de alta confiança do mercado para se capitalizarem. No Bull Market, por exemplo, é muito comum vermos diversas empresas fazerem ofertas subsequentes de ações no mercado primário. Isso ocorre pois nesses momentos, os investidores estão muito mais propensos a desembolsarem uma boa quantidade de capital para comprar novas ações de uma determinada empresa.


Além disso, nesses momentos, as ações de companhias listadas em bolsa de valores, costuma estar bem valorizadas, sendo assim, mais vantajoso a venda de novas ações por parte da empresa.


Lembre-se, as ações vão ser emitidas aproximadamente pelo mesmo preço em que elas estão sendo negociadas a mercado. Dessa forma, quanto maior o preço dessas ações a mercado, mais a empresa consegue capitar emitindo o mesmo número de ações.


Procedimentos

Quando uma empresa toma a decisão de fazer um Follow-on, ela deve escolher entre dois caminhos:

  • Realizar oferta restrita exclusivamente para investidores qualificados, que são compostos por fundos e pessoas ou empresas com montante superior a 1 milhão de reais em suas carteiras. Nesse caso, é exigida menos documento e não é necessária o registro na CVM (Comissão de Valores Mobiliários).

  • Realizar oferta para o grande público, o que gera mais regulamentação e necessita do registro na CVM.

Exemplo de carta de prospecto de um Follow on do Banco do Brasil.

Conclusão

Portanto, empresas podem fazer um follow-on com o intuito de se capitalizar ou de possibilitar a saída do quadro acionário de alguns acionistas.


É de fundamental importância, para o investidor, a compreensão de sobre o que é um follow-on. É um termo tão básico quanto IPO e deve ser de conhecimento dos pequenos investidores.


Ajudou? Se sim, segue lá no Instagram e se inscreve no canal do Youtube para ficar atualizado de todas as novidade do Investidor Sem Grife!